25 de ago de 2010

DICA DA HORA - CHÁ

"Espero que da próxima vez, 
em vez de lutarmos, 
possamos tomar chá juntos"
provérbio chinês

Foto tirada daqui: Reporter Net 

Falando em chá, não poderíamos deixar de investigar o assunto, uma vez que a cultura do chá na China, como tantas outras daquele país, é milenar e, digamos, institucional.

Ele é considerado uma bebida popular na China desde os tempos mais antigos. Estava no topo da lista das sete necessidades diárias de um chinês: o chá, a lenha, o arroz, o óleo, o sal, o molho de soja e o vinagre.

Reza uma lenda chinesa que há quase 5.000 anos atrás, o então 2º imperador da China, Shen Nong teria inventado a bebida nacional da China num ato de pura serendipity [descoberta advinda de um erro]. Ele estava acampado sob uma árvore e colocou para ferver um pouco de água para beber [hábito decretado por ele como saudável]. Qual não foi seu espanto ao sentir o delicioso aroma que desprendeu da ebulição depois que algumas folhas desta árvore caíram em sua panela. E assim nascia um hábito, hoje totalmente entranhado na cultura chinesa.

Lendas a parte, a relação dos chineses com o chá teve seu divisor de águas mais sério durante a dinastia Tang [entre 733 e 804], quando o monge Lu Yu escreveu a obra Cha Jing [O Livro do Chá]. 

Primeira casa de chá de Beijing
Foto: Beinjing Oficial Website
No prefácio da tradução feita por Francis Ross Carpenter, este revela que antes do tratado de Lu Yu, o chá era uma bebida sem nada de especial, mas que o monge chinês, com sua enciclopédia de 3 volumes dedicada a discutir, dentre outras coisas, a importância da água utilizada na sua confecção, transformou uma simples extração com água numa arte rodeada de rituais.

Comparado a um bom vinho, o chá chinês tem inúmeras variações de sabores. O chá verde é o chá mais comum, feito com folhas secas imediatamente após a colheita. O Chá de flores, na verdade é uma mistura de chá verde com pétalas de flores. O chá Oolong, é o mais valorizado de todos, sendo um tipo semi-fermentado, muito consumido pelos povos orientais e tradicionalmente preparado em bules de argila. O chá branco em flor, por ser um espetáculo à parte, é servido em um bule de vidro. Normalmente a bebida é servida pura, sem leite ou limão. E o costume de adoçá-lo é apenas dos monges do norte, enquanto que no Tibet costuma-se adicionar manteiga ao chá.

Eis algumas das casas e lojas de Chá mais tradicionais em Beijing:
Não só em Beijing, mas na China como um todo teremos várias oportunidades de experimentar um mergulho na cultura Chinesa ao nos entregarmos às experiências com o chá. Quer seja numa casa de chá tradicional, participando de uma cerimônia do chá; quer seja simplesmente sorvendo uma xícara no hotel depois de um cansativo dia de treino ou de bateção de pernas. De qualquer forma, neste momento, poderemos fechar nossos olhos e procurar imprimir para sempre em nossos sentidos todas a sensações desta experiência única: tomar um delicioso chá chinês... em seu país de origem!

Fontes:
Eyewitness Travel - China [DK, 2010]

16 de ago de 2010

AINDA EM BEIJING - PRAÇA DA PAZ CELESTIAL

Foto: Baixaki
A Praça da Paz Celestial (em pinyin, Tiān'ānmén Guǎngchǎng), também conhecida por Praça Tiananmen, é considerada a maior praça do mundo. Grande e imponente, ela se localiza exatamente no eixo central da cidade de Beijing, bem em frente à Cidade Proibida. Aliás, a Praça da Paz Celestial na verdade foi um de seus jardins, e acomodava alguns dos escritórios do palácio!

Naquela época, o então 'jardim', media algo e todo de 110 mil metros quadrados. Desde a queda do sistema feudal - e especialmente depois da instalação da Repúbica Popular - ela tem sido renovada e ampliada seguidamente. Hoje a praça tem 880m de comprimento e 500m de largura, totalizando uma área de 440 mil metros quadrados.

A praça, apesar de sua aparência um tanto quanto árida, é marco incontestável na história, não só de Beijing, mas da China. Foi palco de eventos históricos marcantes [a instauração da República Popular] e até mesmo trágicos [os protestos por democracia dos estudantes em 1989].

Mapa: Tour-Beijing.Com
Ainda assim há alguns points que não podem deixar de ser mencionados:


1. Monumento Tian’an Men - em Outubro de 1949, Mao Tsé-Tung proclamou a fundação da Republica Popular deste enorme portão [da era da dinastia Ming]. Até hoje, seu retrato ainda se encontra pendurado lá. Para ter acesso à Cidade Proibida, passamos por ele.

2. Museu Nacional da China - Este enorme prédio datado de1959, localiza-se no lado leste da praça e acomoda o Museu de História Chinesa, juntamente com o Museu da Revolução. Aqui estão em exibição desde obras de arte raríssimas a impressionantes peças de propaganda socialista.

3. Mausoléu de Mao Zedong (Mao Tsé Tung) - Em um imponente prédio bem no centro da praça descansa o corpo embalsamado de Mao, que morreu em 1976. Embalado por uma vitrine de cristal, seu corpo é retirado de um ambiente refrigerado duas vezes ao dia, para ser exibido durante a visitação pública.

4. A Grande Casa do Povo - Uma estrutura monolítica domina o lado oeste da praça. A Grande Casa do Povo acomoda o poder legislativo Chinês. O grande auditório e as salas de banquete são abertas para visitação todos os dias, por um período - exceto quando o Congresso Popular está em sessão.

5. Monumento dos Heróis do Povo - Bem no centro da praça, um obelisco de granito foi erguido para homenagear os heróis da revolução.

6. Mastro da Bandeira - no lado norte da praça, perto do Portão Tianan'Men, fica o mastro da bandeira nacional. Duas vezes ao dia soldados do Exército da República Popular (PLA) hasteiam e descendem a bandeira nacional. É uma cerimônia digna de ser apreciada, mesmo que vc tenha que se programar para acordar mais cedo, pois toda a atividade é sincronizada - segundo a segundo - para que a bandeira suba e desça  exatamente com o nascer e pôr do sol.

Exatamente por ter sido palco de eventos marcantes e por receber um número grande de turistas constantemente, a ordem na praça é mantida seguindo orientações explícitas e rígidas. Para que vc não arrume confusão com a segurança, seguem algumas dicas:

  • Deixe os ambientes e museus como os encontrou;

  • Não jogue lixo no chão;

  • Qualquer atividade que perturbe a ordem pública é terminantemente proibida;

  • Não compre produtos de camelôs. O governo está numa campanha ferrenha contra eles;

  • Antes de entrar nos monumentos, dirija-se ao ponto de guarda de objetos pessoais [perto do Museu]. Lá você deve deixar suas câmeras, bolsas, garrafas d'água, etc. Fotos, comidas e bebidas dentro dos monumentos também são terminantemente proibidas;

  • Lembre-se de ser repeitoso... Não grite ou fale alto, não corra, não perturbe a ordem dentro dos monumentos;

  • Além das checagens de segurança localizadas às entradas da praça, outras podem acontecer de surpresa. Submeta-se e coopere com qualquer uma delas e siga as orientações dos oficiais à risca.
Eye Witness Travel - China [DK, 2010]
Imagens monumentos 1 & 6:

3 de ago de 2010

AINDA EM BEIJING - CIDADE PROIBIDA

Vcs sabiam que Beijing tem uma história que anda meio que junto com a história da China, em termos de idade? Pois é são aproximadamente 3.000 anos! Pense... 3 milênios de história para uma cidade? Wow! Ela foi capital do país nas dinastias Jin, Yuan, Ming e Qing. Durante estas duas últimas, um layout urbano bem definido e claro da cidade foi se formando. E apesar da passagem dos anos ele ainda é essencialmente o mesmo, principalmente na área central da cidade.

Este layout do centro da cidade consiste basicamente de 4 ‘camadas’- vamos chamar assim -, que foram se formando a partir da Cidade Proibida [1], seguida da camada da Cidade Imperial [2], da camada de Cidade Interior [3] e, por fim, da camada da Cidade Exterior [4].

Imagem: Site Oficial Beijing Intl.
Com funções e estruturas diferentes, cada uma destas 4 camadas da cidade tinham sua cultura local bem distintas, mas ao mesmo tempo complementares umas às outras.

De qualquer maneira, podemos observar que Beijing cresceu a partir da Cidade Proibida [hoje também conhecida como Museu do Palácio de Beijing]. E esta é nossa primeira parada turística em Beijing aqui no blog.

Foto: Site 999 Chinese.
A Cidade Proibida (em pinyin: zǐ jìn chéng; traduzindo literalmente "Cidade Proibida Púrpura"), tem este nome pois somente o imperador, sua família e empregados especiais tinham a permissão para entrar no conjunto de prédios do palácio. E durante séculos esta proibição foi mantida. Qualquer outra pessoa que ousasse atravessar seus portões sem a devida autorização, estava sujeita a uma execução sumária e dolorosa.

A queda do último imperador, Puyi, em 1912 marcou o fim de séculos de imperialismo e 500 anos da Cidade Proibida como capital do Império Chinês. O palácio foi aberto como museu em 1925, mas sofreu com a ofensiva japonesa em 1931, quando teve seu edifícios saqueados e artefatos retirados do pais. Alguns destes artefatos voltaram para Beijing após a Segunda Guerra Mundial, e hoje a cidade encontra-se aberta ao público para visitação, mas ainda em processo de restauro de alguns de seus prédios, projeto que está previsto para ser concluído em 2012.

Cada lado de suas muralhas tem um portão. Nós turistas entraremos pelo portão sul, Portão Meridiano (Wu men)[A].

Imagem: Site Oficial Beijing Intl. 
Algumas edificações imperdíveis são: o Hall da Harmonia Suprema [C]; O Hall da Harmonia Central [D]; o Hall da Preservação da Harmonia [E]; o Hall da Paz Celestial [F]; o Hall da Paz Terreste [G] e o Jardim Imperial [H]. Destaque também para as Torre de Vigia [K] e os outros portões [B, I e J].

A Cidade Proibida era um complexo quase independente àquela época e o é hoje também. Em seu complexo há lojinhas de conveniência e de presentes , e até mesmo um Starbucks!
CIDADE PROIBIDA EM NÚMEROS:

  • A Cidade Proibida foi o palácio Imperial de 24 imperadores das dinastias Ming e Qing.

  • Teve sua construção iniciada em 1403 e concluída em 1424.

  • É cercada por muros de 7,9 metros de altura e por um fosso com seis metros de profundidade e 52 metros de largura.

  • Está distribuída por uma área rentagular que mede 961m, de norte a sul; e 753m de leste a oeste, cobrindo uma área de 720.000 metros quadrados.

  • O complexo é composto por 70 edificações e palácios, totalizando aproximadamente 9.000 ambientes.

  • Linhas de ônibus que param na Cidade Proibida: 1, 4, 20, 52, 57, 101, 103, 109, 111.
DICAS BÁSICAS
  1. Na entrada [Portão Meridiano], visitantes podem alugar um audio-guia (em diversas línguas, inclusive português e inglês), que vai apresentando a história e aquitetura do lugar. Se vc devolver o audio-guia na saída, vc recebe parte do dinheiro do aluguel de volta.
  2. Não esqueça de visitar o Jingshan Park - em frente à saída pelo portão norte. De lá se tem uma vista previlegiada do layout da Cidade.

Fontes:
Eye Witness Travel Guide: China [DK, 2010]