25 de fev de 2011

AINDA EM BEIJING - ÓPERA DE PEQUIM

Foto : Saad Akhtar de Nova Delhi, India
Faz parte de nossa programação cultural em Beijing, irmos assistir a um espetáculo da Ópera de Pequim.

Programa imperdível, a Ópera de Pequim é uma forma de teatro chinês tradicional que combina música, performance vocal, mímica, dança e acrobacia. E assim como o carnaval é para o Brasil, a Ópera chinesa é também uma instituição cultural deste país, tão relevante quanto as arte marciais. A arte surgiu no final do sec. XVIII e ganhou popularidade com as atuações na corte da Dinastia Qing.

Apesar do nome, as principais companhias estão sediadas não só em Beijing, mas também em Tianjin [norte], em Shanghai [sul] e também em Taiwan. As óperas mais antigas são representadas em mandarim arcaico, mas alguns teatros disponibilizam telões com legendas em inglês. Os figurinos são exuberantes e sofisticados, e juntamente com a maquiagem elaboradíssima, serve para diferenciar a i tipo e a classe social do personagem. As cores usadas neles também têm significado específico: O preto, simboliza o atrevimento; o branco, a mentira; e dourados e prateados são utilizados entidades divinas.

O espectáculo apresenta geralmente quatro personagens principais: sheng (masculino), dan (rapariga nova), jing (cara pintada, masculino) e chou (palhaço, masculino ou feminino). As personagens podem ser desde traiçoeiras ou leais, belas ou feias, boas ou más. e suas características são bastante evidentes.

FONTES:

3 de fev de 2011

DICA DA HORA - FALANDO CHINÊS

Nossa viagem está chegando e algumas pessoas estão finalizando seus detalhes de viagem agora. É passaporte, visto, vacinas, malas e etc... Para cada coisa que é riscada da lista, outra aparece logo a seguir! É verdade ou não é?!? Eu sei, exatamente porque estou passando por isso.

E agora, tendo dado cabo de quase tudo isso listado aí acima, me pego pensando em como vai ser a sensação de chegar num lugar e não entender NADA do que é dito pelos locais. E no caso do Mandarim, é NADA mesmo!! Nem uma palavrinha! Tá certo que, em praticamente 99% de nosso percurso, e também passaremos por lugares em que o inglês até que pode ser falado... mas ainda assim isso me assusta!

Me assusta pois detesto ter que me sentir 'refém' de algo ou de alguém em uma viagem, pro que quer que seja. Gosto de dar minhas fugidas exploratórias sempre que tenho chance. E para isso a barreira linguística pode ser um problema.

Muitos colegas estão até fazendo cursos de Mandarim. Mas eu não consegui... Será que vou ter problemas? Bom, paciência...Vamos literalmente ter que pagar para ver...

Me resta agora, nesses próximos quarenta dias, me agarrar com as aulinhas que tivemos nas reuniões e tbm com meus livrinhos e tentar decorar o máximo possível de frases-chave.

Lendo o blog do Arnaldo Interata [Fatos & Fotos de Viagem], me deparei com umas diquinhas legais para esta situação, que me ajudaram a ficar menos neura com isso tudo. Então, divido elas aqui com vcs de forma resumida... Simbora?

1. MENOS É MAIS - mesmo que vc já tenha começado a estudar a língua já a algum tempinho, dificilmente vcs acertará de cheio na entonação, no vocabulário e quem dirá nas construções de frases mais complexas... portanto deixe o orgulho de lado use frases curtas, objetivas e até mesmo macarrobóticas [macarrônicas+robóticas]. O risco de errar usando menos palavras é bem menor. Isso complica menos a sua vida e te ajuda a caprichar mais na pronuncia e entonação, ponto essencial no Mandarim.

2. NÃO SEJA PERFECCIONISTA - esqueça a gramática. Sim! Vc ouviu certo! Se vc não a aprendeu até agora, não será nestes últimos dias que vc aprenderá muito mais. Se jogue e arrisque nas expressões mais básicas e até mesmo 'soltas'! Interaja mesmo assim. Além do mais a viagem é diversão e mico vai ser vc não abrir a boca para tentar se expressar, de jeito nenhum!

3. ALGO É MELHOR QUE NADA - decore aquelas frases básicas. Principalmente aquelas que denotam educação ['olá', 'por favor', 'obrigada', 'com licença', 'bom dia', 'até logo', etc]. Porque, mesmo que depois vc apele pro inglês, pro 'chinglish' ou até mesmo para a mímica, a tentativa de usar o idioma local com educação é uma chave mágica para abrir portas e deixar as pessoas mais receptivas e até mesmos dispostas a ter um cadinho de paciência com vc.

4. TIRE O PÉ DO ACELERADOR - se vc não é fluente agora, não vai ser lá, na viagem que vc vai adquirir esta fluência. Pense na frase que quer dizer, memorize, e só então diga ela pausadamente. O bom é que corre um grande risco da resposta vir devagarinho tbm! E se não vier, já tenha na cabeça expressões do tipo: 'repita, por favor' ou 'fale devagar, por favor'!

5. PRATIQUE! PRATIQUE! PRATIQUE! - assim como o TaiChi, o aprendizado de uma língua vem da prática. Pratique em casa e repita para vc mesmo, para o espelho, ou para os colegas de viagem. Anote num caderninho que vc vá levar, aquelas frases que vc não conseguiu decorar. Esta recomendação vale para números, visse? Uma boa dica é aprender pela internet como os chineses indicam os números com as mãos. É um tanto quanto diferente de como fazemos. Para isso use dicionários, guias de viagens, guias de conversação e até mesmo a internet, o FacebookYouTube.

Tudo vale! Só não vale ficar de boca fechada! Dizem que quem tem boca vai à ROMA. Mas será que vai também á CHINA? Conto pra vcs depois!
.